Month: September 2010

Abóbora no forno com queijo feta

Só para quem realmente gosta do sabor doce da abóbora realçado pelo sal do queijo feta. A abóbora é um alimento saudável e rico em vitamina A e C, fibras, potássio e magnésio. À variedade de abóbora que usei começou agora a chamar-se em Portugal “abóbora manteiga”, o que me parece ser uma péssima tradução do inglês “butternut squash”. Já enviei para o ciberdúvidas a questão do nome vulgar para a nossa Cucurbita moschata.

Ingredientes:

1 abóbora

Sal, pimenta

Mel e azeite a gosto

100 gramas de queijo feta

Para quem precisa de carne ou peixe a acompanhar:

Algumas fatias de salmão fumado, curado ou fiambre.

Preparação:

Aqueçam o vosso forno (200ºC)

Lavem, abram e limpem o interior da abóbora. Esfreguem o interior com sal, pimenta, e um pouco de azeite e mel. (Eu faço uns pequenos cortes na polpa para o sabor entrar melhor na abóbora.

Cozinhem a abóbora num tabuleiro no forno até a polpa estar macia, no meu caso demorou cerca de uma hora.

Cuidadosamente separem com uma colher a polpa da casca da abóbora, envolvam o queijo feta e rectifiquem os temperos. Voltem a colocar no forno até estar douradinha e pronto a servir. Acompanhem se desejarem com um pouco de fiambre ou salmão, os sabores salgados e fumados enriquecem ainda mais a doçura e leveza da abóbora.

Outono

No meu jardim apareceram as primeiras folhas amarelas, chegou o Outono.

 Começam a apetecer as sopas e os assados, fazem-se as últimas compotas. Sempre atenta aos produtos da época, decidi festejar a chegada de mais uma estação com a compra de uma abóbora, “butternut squash”, à qual agora parece estar na moda chamar-se, e mal, em Portugal –  “abóbora manteiga”.

A Willow parece que também ficou fascinada com a nova aquisição da família. Ementa para amanhã –  Abóbora no forno e sopa de abóbora.

Pão sem amassar – passo a passo – Tackling Bittman

Foi com esta receita que pela primeira vez vi Mark Bittman, e por isso vai ser com ela que inicio a minha participação no grupo Tackling Bittman. A anfitriã este mês é fantástica Girlichef, que tem um site de fazer inveja! Lembro-me que alguém postou num fórum de pessoas estrangeiras a viver na Suécia, um link para o vídeo no No Knead Bread do NYT. Foi amor à primeira vista, depois de tentar em casa a receita, enviei o link também para o meu irmão que se tornou ele próprio um seguidor fanático de Mark Bittman. Como podem ver a minha receita é um pouco diferente da original, porque uso mais água e uma mistura de farinha de trigo e centeio.   Aqui fica a  minha versão do pão sem amassar, delicioso e estaladiço, a melhor receita de pão que conheço.

Como a massa demora bastantes horas a levedar o melhor é prepararem-na na véspera de cozer o pão, à noite. Vão precisar de uma panela de ferro, de um pyrex com tampa, ou uma panela de barro especial para fazer pão. O objectivo é cozer o pão a uma temperatura elevada o que lhe dá um aspecto e sabor muito semelhantes ao nosso pão tradicional de Mafra ou ao pão alentejano.  O resultado final vai depender também da farinha e percentagem de água. Uma massa mais seca resulta num pão mais pesado e compacto. Uma massa mais húmida cria um pão com muitos buracos e mais leve. Esta receita é a minha versão da receita original que podem ler aqui. Eu uso uma mistura de farinha de trigo (farinha vulgar) e farinha de centeio para criar um pão rústico, mas de acordo com o vosso gosto e o que tiverem em casa, podem optar por usar outros tipos de farinha. A minha panela é grande e oval, por isso o resultado é um pão mais baixo  com muita côdea, como gostamos cá em casa.

Ingredientes:

  • 3oo gramas de farinha de trigo.
  • 150 gramas de farinha de centeio
  • 0.5 litro de água
  • 1/2  colher de café de fermento de padeiro seco (em pó)
  • 2  colheres de chá de sal
  • farinha de trigo ou de milho para polvilhar. (a farinha de milho ajuda a criar uma côdea mais douradinha)

Preparação:

Numa tigela grande misturem todos os ingrediente(excepto a farinha de milho) O  objectivo é criar uma massa húmida, não se cansem a bater, não vale a pena.

Cubram a tigela com um pano e deixem a massa descansar durante 12 a dezoito horas. (Eu deixo a minha dentro do forno desligado.)

Passado este tempo, verão que a massa está ainda mais líquida e cheia de bolinhas de ar.

Polvilhem a massa com a  farinha de milho. Podem fazê-lo na bancada da cozinha, ou com uma colher ir afastando a massa das paredes da tigela e polvilhando até que a massa deslize levemente. Deixem descansar duas horas.

Liguem o forno no máximo e aqueçam a vossa panela (com tampa).

Transfiram a massa para dentro da panela quente e tapem-na. (Cuidado com esta operação, a panela está a ferver.)

Coloquem a panela de novo no forno e assem o vosso pão durante 30 minutos a 225ºC. Retirem a tampa e assem durante mais 20 minutos.

Assim que o pão estiver pronto retirem-no do forno e virem a panela sobre um pano de cozinha. Resistam e deixem-no arrefecer um pouco antes de irem buscar a manteiga ao frigorífico!