Figos ao quadrado

Quando éramos pequenos era hábito dos meus pais levarem-nos em “expedições” para praias mais ou menos desertas onde passávamos o dia a brincar e tentar ajudar o meu pai, pescador amador de “alto gabarito internacional”, com os seus sacos e malas de equipamento, canas, iscos e anzóis. Por vezes, penso que por causa da  mudança da maré, a expedição era nocturna, e enquanto o meu pai pescava o resto da família aninhava-se nos sacos de dormir a ouvir, num rádio daqueles ainda com um capa de pele, o “Quando o telefone toca”.

Certa tarde, na minha memória estávamos em Melides, na altura  ainda poucas pessoas passavam férias na costa alentejana, quando pela areia vimos lentamente a aproximar-se uma senhora com um burrico. Sem nos dizer nada a minha mãe levantou-se e foi falar com a senhora, voltado uns minutos mais tarde trazendo nas mãos um embrulho. “Olhem o que eu tenho  aqui”, e das folhas de figueira, saíram uns enormes e carnudos figos, a pingar um fiozinho de mel, e que, talvez por estarmos na praia, cobertos de areia e sal, me pareceram os mais doces e deliciosos figos que alguma vez tinha comido.

Todos os anos aguardo a chegada deste fruto cheia de esperança e expectativa, escolho-os e compro-os com o maior dos cuidados, penso na senhora e no burrinho, no meu pai à  beira-mar, mas à excepção de um vez em Londres, nunca voltei a  provar figos tão deliciosos.

Imagino que o defeito não seja apenas dos figos, falta-me o resto da história e do cenário,  e na comparação com um quase perfeito momento da minha infância, qualquer fruto crescido numa estufa e comprado na cidade, fica a perder.

Para tentar dar mais vida aos figos que aqui compro, deixo hoje duas sugestões, simples e deliciosas, para uma entrada ou sobremesa.

1 –  Salada de Figos

Uma combinação doce e salgada, macia e crocante, que apreciamos muito.

Figos frescos, queijo Danish Blue, pecan nuts, presunto e um fio de xarope de ácer.

2- Figos com moscatel, alfazema e fromage blanc.

Ingredientes:

  • 2 colheres de sopa de açúcar
  • 1 dl de Moscatel
  • 4 figos divididos em 2
  • Amêndoas em lascas
  • Alfazema para decorar
  • 2 dl de iogurte grego
  • 2 dl de natas em chantilly
  • 3 colheres de sopa de açúcar de alfazema

Preparação:

Numa frigideira aqueçam o açúcar até quase ao ponto de caramelo. Com cuidado adicionem o moscatel e os figos, deixem ferver e reduzir por alguns minutos.

Para o fromage blac, misturem levemente o chantilly com o iogurte e o açúcar.

Sirvam os figos mornos regados com o seu molho, acompanhados pelo fromage blanc e decorados com lascas de amêndoas e florinhas de alfazema.

About these ads

8 comments

  1. Que maravilha! Eu sou louca por figos. Ao natural, numa salada ou num doce são perfeitos e uma perdição. Gostei muito das tuas propostas, sempre encantadoras.
    Um beijinho.

  2. grata pelo delicado comentário deixado lá no pitangas! amo figos, e aqui tambem do outro lado do equador, eles não são mais tão saboros com antigamente, talvez seja pelo “clima” das memorias de infancias que o sabor se perdeu. linda reflexão! bjs

  3. Olá Ana
    Adoro figos e as variações à volta do fruto.
    Este post deixou-me nostálgica com os figos e recordações de Melides.
    Quem me dera agora um pão alentejano de uma padaria que conheço em Melides!
    Um beijo e boa semana!

  4. A história é linda, só com muita sorte encontrarás figos iguais aos da senhora do burrito, mas também sabemos que é tudo um pouco psicológico.
    Gostei muito de ambas as sugestões que guardarei para o ano que vem, e para a próxima leva de figos.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s