Month: September 2012

Pão de Mirtilos

Com o passar dos dias a minha vida, embora num ritmo completamente diferente, começa a estar mais organizada, e aos poucos instala-se uma bem-vinda rotina que me permite também dedicar um pouco mais de tempo à Padaria e aos blogues amigos que gosto de seguir. Antes da receita de hoje,  queria lembrar que o Convidei para Jantar está como certamente já notaram, a decorrer em casa da Vera. Participem e divulguem! Aproveito também para agradecer as vossas mensagens e apoio. Sei que os vossos votos são sinceros e aquecem o meu coração mais do que podem imaginar.

Hesitei bastante em contar-vos esta nova aventura que estou a viver, porque como sabem sou tímida e um pouco reservada, mas a vossa resposta foi tão positiva que decidi escrever uma série de posts nos quais partilharei convosco os detalhes do  meu dia-a-dia.

E aqui vamos nós, forno aquecido, a Padaria aberta, voltamos também às receitas e experiências na minha cozinha. Começamos com pão, que mais poderia ser?

Na revista Baka, de onde tirei esta receita,  as fotografias mostravam um pão lindo de interior azul forte e magnifico. Usei os melhores mirtilos que encontrei e segui a receita à risca, o resultado, embora saboroso, é um pãozinho de aspecto descorado e tristonho. Terá a revista abusado do Photoshop? Terão acrescentado à receita algum corante alimentar? Se experimentarem a receita, não se esqueçam de me contar o quanto azul ficou o vosso pão. (Vou colocar uma foto da revista no Facebook da Padaria)

A receita é simples e não dá trabalho nenhum,  mas têm de começar de véspera ou com alguma antecedência.  Mãos à massa:

Ingredientes: (1 pão grande)

Pré-fermentação:

  • 5 gramas de fermento de padeiro fresco
  • 2,5 dl de água fria
  • 150 gramas de farinha de trigo para pão

Massa final:

  • 7 gramas de fermento de padeiro fresco
  • 1 dl de água fria
  • Massa da pré-fermentação
  • 1 colher de sopa de sal
  • ½ colher de sopa de mel
  • 430 gramas de farinha de trigo para pão (aproximadamente)
  • 200 gramas de mirtilos

Preparação:

Na véspera/ 4 horas antes

Desfaçam o fermento na água, acrescentem a farinha. Misturem bem. Deixem a massa fermentar 4 horas a temperatura ambiente ou durante a noite no frigorífico.

Massa final:

Triturem os mirtilos. Desfaçam o fermento numa tigela juntamente com a água, misturem os mirtilos, o sal e o mel. Acrescentem a farinha e amassem durante 10 a 15 minutos a baixa velocidade, se estiverem a usar um assistente de cozinha ou a  vossa MFP. Podem também amassar à mão, demora um pouco mais de tempo, já sabem que devem amassar até obterem uma massa elástica  que se despegue com facilidade das vossas mãos mas que não esteja demasiado seca!

Deixem a massa fermentar durante 1 a 2 horas.

Dividam a massa em 4 e formem baguetes, ou em dois e façam dois pães redondos ou ovais. Polvilhem os pães com farinha de deixem fermentar mais 1 hora enquanto  o forno aquece a 250ºC.

Quando os pães tiverem duplicado de tamanho e estiverem prontos a ir para o forno, transfiram-nos para um tabuleiro. Uns minutos antes de colocar o pão no forno, eu costumo deitar um copo de água num tabuleiro que está já no forno. Desta forma cria-se vapor e o pão fica mais estaladiço. Podem também borrifar o pão e as paredes do forno com água.

As baguetes cozem durante 20 minutos. Os pães demoram um pouco mais e para evitar que se queimem, é importante que depois de passados 10 minutos, baixem a temperatura do forno para 200º/215ºC. O pão está pronto quando “soar a oco”, ou quando a sua temperatura interna atingir os 97ºC.

A Leap of Faith

O  momento em que sem rede nem segurança decidimos avançar. Acreditamos. Temos força, temos fé, arriscamos.

Se tiver sorte e a genética não me falhar, aproximo-me a passos largos do fim da primeira metade da minha vida. Era altura de mudar, deixar uma carreira da qual me tinha desencantado e seguir o meu sonho. Durante o Verão trabalhei num restaurante, em Setembro voltei à escola.

Com a mesma alegria e excitação com que me sentei pela primeira vez nas “carteiras” da escola primária, preparo-me todas as noites para as aventuras do dia seguinte. As semanas passam a correr, entre as aulas práticas e teóricas, receitas, técnicas, regras de higiene e nutrição, tachos e panelas, novos colegas e professores. Quando for grande vou ser cozinheira.

A Padaria volta a abrir as portas depois de um necessário período de adaptação, penso que compreenderão. Tenho saudades de escrever, de partilhar convosco as minhas receitas e descobertas, de vos ter aqui na Padaria para dois dedos de conversa e um pãozinho acabado de sair do forno.

De regresso está também o Convidei para Jantar. A nova edição começa já amanhã! Quem será a nossa anfitriã?