candy

Semlor de Chocolate e polkagris /Chocolate & polkagris semlor BBD # 47

Scroll down for the English translation

E antes que o mês termine e eu deixe passar mais uma data de publicação dos grupos e desafios que costumo seguir, aqui fica a minha participação no Bread Baking Day #47 que decorre em Fevereiro em casa da Lisa e tem como tema: Pão e Chocolate. (Quando era miúda  havia umas tabletes de chocolate que se chamavam “Coma com pão”, alguém se lembra delas?)

Para este desafio preparei como já vos havia dito, semlor com chocolate e polkagris. Penso que as semlor dispensam já apresentação aqui na Padaria e até em Portugal. A minha tia telefonou ontem a contar-me que as tinha comido no Ikea e estavam duras e secas! Que vergonha senhores do Ikea português, a darem mau nome a este pãozinho tão delicioso…

Os rebuçadinhos que usei, chamam-se polkagris(ar), e sabem a hortelã-pimenta, um dos maiores amigos do chocolate :)

Os polkagrisar  são muito tradicionais na Suécia onde foram inventados em 1859 por uma viúva pobre a tentar reconstruir a sua vida. “polka” é o nome de uma dança, e “gris” significa “porco”, e era também a palavra para “candy” no século XIX. Pensa-se que o nome polka estará ligado à forma como estes doces se fazem, esticando e torcendo o açúcar. Existem polkagrisar de vários formatos, tamanhos e cores, mas os mais tradicionais são os vermelhos e brancos em feitio de bengalinha.

Se esta é a vossa primeira visita à Padaria, podem ler mais sobre semlor aqui e aqui. Convido-vos também a visitar o blogue da Pami que fez a versão Islandesa destes bolos.

A receita de semlor de hoje é a mistura de várias ideias que vi na revista Baka.

Ingredientes (24 semlor)

Para a massa:

  • 2 ½ dl de leite
  • 25 gramas de fermento de padeiro fresco (1/2 pacote de fermento de padeiro seco)
  • 100 gramas de açúcar
  • 1 colher de chá de sal
  • 2 colheres de chá de cardamomo em pó
  • 420 gramas de farinha de trigo
  • 100 gramas de manteiga

Para o ganache:

  • 2 dl de natas
  • 2 colheres de sopa de mel
  • 1 pitada de sal
  • 250 gramas de chocolate amargo

Para o creme:

  • 4 dl de natas
  • Icing sugar (ao vosso gosto)
  • Polkagrisar picados
  • 1 colher de sobremesa de cacau em pó

Preparação:

As semlor:

Dissolvam o fermento num pouco de água tépida.

Aqueçam o leite com o sal e o cardamomo.

Numa tigela grande coloquem a farinha, o açúcar, a mistura do leite e do fermento e a manteiga em cubinhos, amassem bem até a massa de descolar da tigela. Deixem levedar 45 minutos. Dividam a massa em bolinhas e coloquem-nas num tabuleiro de ir ao forno forrado com papel vegetal. Levedem durante 25 minutos. Cozam no forno pré-aquecido a 22ºC, durante 2 a 7 minutos. (Depende do tamanho das semlor, por isso testem uma passados 5 minutos.

Enquanto as semlor arrefecem, preparem o ganache e o creme:

Para o ganache:

Aqueçam as natas com o mel e o sal. Deitem-nas sobre o chocolate picado, misturem até o chocolate derreter.

Para o creme:

Batam as natas em chantilly, adocem a gosto com o icing sugar misturado com o cacau. Acrescentem os polkagrisar.

Cortem as tampinhas das semlor e com uma colher ou garfo, retirem o miolo. Recheiem com o ganache. Decorem com o creme e os polkagrisar, reservem no frigorífico até servir.

BBD was hosted this month by Lisa who invited us to a delicious theme – Bread with chocolate.

I prepared a new version of a very traditional Swedish bun, the semla. I´ve only posted the recipe in Portuguese, but you can use the translation button (cookies on the right bar), or contact me if you  need any help. I have also published other recipes of semlor that you can read here and here.

A Portuguese baker living in Iceland,  published this month a different take on these bun/cakes, made with puff pastry, that you may you really really want to check. (She will translate it for you if you need help)

 A semla (or)  or fastlagsbulle (ar) is a traditional pastry made in various forms in Scandinavia  associated with Lent and especially Shrove Monday or Shrove Tuesday. You can read more about the origin and history of semlor here.

In Sweden the traditional semla is  a cardamom-spiced wheat bun which has its top cut off and insides scooped out, and is then filled with a mix of the scooped-out bread crumbs, milk and almond paste, topped with whipped cream. The cut-off top serves as a lid and is dusted with powdered sugar. (I´ve been told by my Swedish husband that the lid is called  “hat”, and we should use it as a spoon to eat to whipped cream. )Instead of almond paste, I used chocolate ganache and chocolate and polkagris.

Sem corações nem ailavius.

Para os que como eu têm a bênção de todos as noites levar para cozinha duas chávenas de chá vazias, para os que telefonam a dizer que já vão a caminho de casa e  perguntar se faz falta comprar alguma coisa, o dia de amanhã é  muitas vezes um dia como todos os outros. Com o conforto de saber que se tivermos um pesadelo alguém nos acordará, com a certeza de uma voz e presença constantes. Em nossa casa não celebramos o dia de São Valentim, o viking todos os anos compra corações de marzipan que comemos na cama a ver um filme. Não há grandes produções nem jantares românticos, fondue de chocolate ou garrafas de champanhe.

Quando temos quem nos dê a mão, esquecemo-nos com facilidade dos que não tendo a mesma sorte do que nós, passam este dia a ser constantemente relembrados de que estão sozinhos. E não me refiro obviamente apenas a quem ainda não encontrou a sua cara-metade. Se olharem à vossa volta, talvez vejam a colega cujo marido trabalha no Luxemburgo, o amigo que perdeu há pouco tempo  a namorada,  a vizinha a contar os dias para visitar o noivo nos Estados Unidos.

A minha sugestão é que com um pequeno gesto, animem amanhã alguém que saibam estar sozinho. Um presente para um amigo ou conhecido, um abraço feito de chocolate e frutos secos.

Estas barras de chocolate fazem-se em minutos e certamente com ingredientes que têm em casa: chocolate, frutos secos, especiarias, frutos cristalizados, um pouco de licor… Deixo a receita com os ingredientes e quantidades que usei, mas aqui  o limite é mesmo a vossa imaginação. Em vez de chili, talvez pimenta rosa, chocolate escuro com flocos de sal, um pouco de curry em pó, cubinhos de frutos cristalizados..

Como forma usei uma caixa de plástico, mas qualquer outro recipiente serve, umas forminhas de muffin de silicone também são boa ideia.

Se souberem e tiverem tempo aconselho-vos a temperar o chocolate, fica mais duro e brilhante. De outra forma, derretam-no em banho-Maria, ou no micro ondas.

Ingredientes:

  • 200 gramas de chocolate branco
  • 4 cm de chili vermelho fresco em rodelinhas
  • Frutos secos
  • Sementes, frutos cristalizados….

Preparação:

Derretam o chocolate. (Se estão a usar o micro ondas verifiquem a cada 20 segundos. Cuidado para não deixarem queimar o chocolate.)

Aromatizem o chocolate a vosso gosto. Deitem-no na forma e decorem com os ingredientes que escolheram. Coloquem a forma no frigorífico até o chocolate solidificar completamente. Desenformem-no (vai saltar da caixa, não se preocupem), coloquem-no num saquinho ou caixa bonitos e ofereçam-no.

Rochedos de Chocolate e Black Balsam

Vi há muitos anos no Livro de Bolos e Bolinhos da margarina vaqueiro, pela primeira vez a receita de Rochedos de Chocolate, chocolate, corn flakes e manteiga. A receita é simples mas o conceito e texturas pareceram-me tão saborosos e tentadores, que partindo da ideia base, tenho ao longo dos anos, vindo a experimentar várias combinações para a enriquecer.

Hoje partilho convosco uma das minhas favoritas, uma versão só para adultos, rica e muito aromática. Um prazer que se prova em casa dentada, a mistura das passas a pingar de Black Balsam, as texturas macias em contraste com o crocante das amêndoas e dos cereais, tudo envolvido num delicioso chocolate e no leve e final aroma a canela. A receita faz-se em  minutos, e se resistirem a devorar o seu resultado, estes rochedos são uma deliciosa e requintada opção para quem gosta de oferecer presentes caseiros.

Black Balsam é uma bebida feita  com base em vodka, e uma enorme variedade de bagas, plantas, ervas e raízes, tradicional na Letónia. Caso não encontrem esta bebida podem substitui-la por outra a vosso gosto, brandy ou até um pouco de vinho do Porto, parecem-me boas opções.

Ingredientes: (30 rochedos, 28… já comemos 2 ….26… talvez seja melhor fazer mais)

  • 250 gramas de chocolate escuro de boa qualidade
  • 40 gramas de manteiga
  • 50 gramas de corn flakes
  • 75 gramas de amêndoas lascadas
  • 0.5 dl de Black Balsam
  • 3 colheres de sopa de passas
  • 1 colher de café de canela moída

Preparação:

Coloquem as passas de molho no Black Balsam.

Derretam o chocolate no micro-ondas. Usem uma baixa potência e vão verificando a cada 30 segundos.

Misturem o chocolate com a manteiga, as passas e o Black Balsam, e a canela. Quando tudo estiver bem incorporado juntem as amêndoas e os corn flakes.

Com a ajuda de duas colheres de café, deitem o preparado em forminhas de papel. Deixem solidificar e guardem longe do vosso alcance  o quanto antes.

Bombons com açafrão e pimenta – Um presente para a minha tia

A minha tia faz anos e como não posso estar junto dela neste dia, envio-lhe daqui uma receita que preparei a pensar nela.

Já vos falei várias vezes da minha tia, a boleira-mor da minha família, criadora dos mais fantásticos bolos de aniversário para mim e para os meus irmãos. Bolos feitos sem formas especiais, nem massa de açúcar ou pasta para criar bonequinhos . Bolos como o meu adorado Vickie, que eu nunca cheguei a provar, e a Branca de Neve e os Sete Anões, com as figurinhas recortadas em massa de biscoito e delicadamente vestidas a creme de manteiga e glacé.

Mas mais do que fada do lar, a minha tia é uma super tia, não, é A Super Tia, não, a minha tia é mais do que tia. Ela faz o papel de mãe emprestada, irmã mais velha, confidente e voz do bom senso, treinador e cheerleader. No que nos diz respeito é imparável e nada a impede de nos defender e apoiar, sejam quais forem as circunstâncias.

Não me lembro de ouvir a minha tia dizer que algo feito por nós estava “mais ou menos”, “assim-assim”, “escapatório” ou “suficiente”, para ela todos os nossos esforços, mesmo os que acabam em inegáveis fracassos, são vitórias  dignas de celebração. E isto não se aplica apenas a escolhas e mudanças importantes na nossa vida.

Na última vez que estivemos em Portugal, combinei com a minha tia que faria um caril de frango como costumo fazer na minha casa. Fomos às compras, e embora não tivéssemos encontrado os mesmos produtos que uso aqui, abasteci-me de pasta de caril, arroz basmati e pão naan.

Distraída com a conversa, não provei  o molho até à altura de servir, e foi com horror que me apercebi de que a pasta de caril era mil vezes mais forte do que a  que uso, e que em vez de caril, tinha criado uma arma termonuclear. Perante o meu óbvio fracasso, a minha tia não desanimou, e embora imagino que depois de provar a minha “obra de arte”, lhe fosse difícil articular uma palavra,  entre  “está muito bom” e “ eu gosto muito de comida picante”, lá marchou orgulhosamente  com a travessa da minha vergonha para a casa de jantar, avisando, como quem não quer a coisa: “Este caril que a Ana fez é uma delicia,  está um bocadinho picante, mas é muito bom.”

Esta almoço serviu de inspiração para os bombons que vos apresento e que combinam o chocolate branco com o magnífico sabor  do açafrão e um levíssimo toque de pimenta-caiena. Aproveito também este post para participar no passatempo Chocolate e Picante: Um desafio de receitas com histórias dentro, promovido pela Suzana dos Gourmets {amadores} em colaboração com a editora Casa de Letras.

Para fazer os bombons usei formas próprias para chocolate, mas as pequenas formas de silicone, que usamos para fazer gelo, também servem. Se puderem e souberem é melhor que temperem o chocolate antes de o deitar nas forminhas, vão conseguir bombons mais brilhantes e estaladiços.

Ingredientes: (12 bombons, dependendo do tamanho das formas.)

  • 200 gramas de chocolate branco
  • 0,5 grama de açafrão
  •  1 pêra pequena
  • 40 gramas de açúcar
  • 1 dl de água (aproximadamente)
  • 1 folha de gelatina
  • 1 pitada de pimenta-caiena

Preparação:

Temperem ou  se preferirem, derretam o chocolate. Encham com ele  os moldes, certifiquem-se de que não há bolhas de ar, batendo com o molde na bancada um par de vezes. Virem as formas e deixem escorrer o excesso de chocolate. Limpem o chocolate que tenha saído de dentro das formas, e coloquem-nas viradas para baixo, num tabuleiro forrado com papel vegetal.

Para o recheio: Descasquem, limpem e cortem a pêra em pedacinhos pequenos. Levem a lume brando   todos os  ingredientes excepto a gelatina, vão mexendo até que a pêra esteja bem cozida.

Retirem do lume, acrescentem a folha de gelatina previamente amolecida em água fria, misturem bem e coloquem no frigorífico para solidificar.

Quando os moldes de chocolate estiverem completamente solidificados, encham-nos, não demasiado, com o recheio que deve estar frio. Fechem cada bombom com uma camada de chocolate derretido. Coloquem no frigorífico até o chocolate solidificar, desenformem com cuidado e sirvam.