De volta à escola

Quase Convidei para Jantar no restaurante dos meus sonnhos

O CpJ deste mês decorre em casa da Manuela e tem como tema restaurantes de sonho

O Restaurante dos meus sonhos serve comida que respeita a natureza, as estações e a forma como a comida é produzida e chega às nossas mesas. A decoração é simples, posters antigos, uma colecção de pequenos fogões de ferro forjado, aviões e moinhos de café e pimenta. Há quadros e livros de culinária. Através das paredes de vidro vemos um pequeno porto, a ponte que nos liga à Dinamarca. Todos os produtos usados neste restaurante, das velas das mesas aos tapetes, das lâmpadas e papel às mesas e cadeiras, respeitam o ambiente.

A cozinha é semi aberta para a grande sala de jantar que abre todos os dias (expecto Domingo, dia sagrado para o descanso do pessoal) para o serviço de almoço e jantar. Os menus são magníficos, testados, apontados, tiram-se fotos sobre a melhor forma de colocar cada elemento no prato, fazem-se alterações constantes para melhorar a qualidade e apresentação de entradas pratos principais e sobremesas.

Neste restaurante nada se compra pré fabricado. Aqui não há frascos de maionese nem de pickles. No frigorífico dos legumes há grandes frascos de conservas de legumes, o pão com sourdough prepara-se duas vezes por dia na pequena padaria do restaurante. Todas as refeições se iniciam quase como em Portugal com uma tacinha de manteiga e pão quentinho sobre a mesa.

Às onze da manhã assim que está pronta a primeira fornada de pão, põe-se a mesa para o pequeno almoço do pessoal. O menu é de novo lido e cada detalhe explicado aos empregados da sala de jantar, acertam-se os últimos pormenores. Quantas mesas marcadas? Nesse grupo servimos vegetarianos? Vegans?  Quantos intolerantes à lactose? Usaste farinha de batata? Há glúten no molho?

Abrem-se as portas. O dono do restaurante  é um apaixonado por Portugal e quase todos os dias  escolhe cds da Amália ou dos Madredeus como música ambiente durante as refeições.

O som da pequena impressora anuncia a chegada dos primeiros pedidos à cozinha. “Dois gaspachos com gelado de manjericão, três patés em espera, quatro arenques fråm.” ja tack, ja tack ja tack.

Salt och Brygga um dos melhores restaurantes Eko da Suécia,  é o restaurante dos  meus sonhos, e a realidade de Björn Stenbeck, um defensor da boa comida, do ambiente, e um ciclista ferranho que já pedalou de Malmö a Lisboa.

Na cozinha trabalham três cozinheiros e o chef de cozinha, e uma estagiária –

eu.

 O primeiro serviço de jantar com o Tobias nas sobremesas

O primeiro serviço de jantar com o Tobias nas sobremesas

Cheguei há três semanas convencida que, como todos os estagiários ia passar oito horas por dia a preparar legumes, e fazer todas as tarefas que são consideradas mais aborrecidas na cozinha. Estava enganada!

Todo o pão é feito por mim, levei de casa uma caixinha com o meu starter que começámos a usar alternado com o do restaurante. Posso testar receitas, fazer sugestões, contribuir com ideias…

Milos em controlo do seu domínio, a cozinha quente

Milos em controlo do seu domínio, a cozinha quente

Cada elemento das sobremesas é pré preparado por mim. Pelas minha mãos passam diariamente quase uma centena de ovos, litros de natas, pacotes e pacotes do melhor chocolate. Os homens da cozinha, que preferem os facalhões e o calor do fogão, parecem felizes com alguém que goste de passar seis horas a fazer gelados, e de servir as sobremesas, e eu agradeço.

20130510_175114

Feitas as sobremesas e as entradas, (algumas com carne como o paté com fígados de galinha, não são tão divertidas de fazer,  admito) passo a ajudar na cozinha quente. A regra de ouro nas cozinhas parece ser que estagiários não tocam em proteínas, mas eu tive sorte e em especial o chef de cozinha que é o  meu orientador confia peixe e carne nas minhas mãos. Há muito pouco que os cozinheiros fazem que eu não tenho tido a oportunidade de fazer.

 restar a apresentação de uma entrada

restar a apresentação de uma entrada

Acidentes já houve. Uma vez estava eu a “olear” as formas de baguete com um spray e comentei com eles, “ é por isso que eu detesto este tipo de sprays, que mau cheiro… isto até faz mal ao estômago….”

Um dos cozinheiros também estranhou o cheiro e veio ver, alguém tinha deixado uma lata de um spray para limpar metais na padaria. Metade das baguetes foram para o lixo, as formas estão a brilhar.

Na terça-feira à tarde comecei a sentir uma enorme dor no peito e dificuldade a respirar. Eu não sou choramingas, mas não conseguia fazer nada na cozinha, telefonei ao viking e fui para o hospital. Notem que eu sou o tipo de pessoa que em caso de risco de vida toma duas aspirinas, portanto imaginem o estado em que eu estava para entrar no carro e dizer “ leva-me já para o hospital”. Aparentemente magoei uma costela o que provoca dores a respirar e movimentar o meu braço esquerdo. O médico recomendou cinco dias em casa, mas como me deu uns medicamentos bastante fortes para as dores, no dia seguinte às oito da manhã já estava de novo na cozinha.

Ontem durante o serviço de jantar servimos também um buffet para 21 pessoas pelo qual eu fui responsável. (As sobremesas ainda não estão prontas a servir)

Ontem durante o serviço de jantar servimos também um buffet para 21 pessoas pelo qual eu fui responsável. (As sobremesas ainda não estão prontas a servir)

Tem sido uma semana mais difícil porque vejo que eles estão preocupados com o que eu posso e não posso fazer, e eu tenho de pedir muitas vezes ajuda porque não consigo carregar nada mais pesadote. Eles insistem para eu ir para casa eu digo que estou óptima.

Na cozinha o tempo passa a correr e as oito horas diárias são sempre poucas para mim. Trabalho seis dias por semana, dez a doze horas por dia, por vezes catorze.

Temo o dia em que o sonho que tem sido este estágio termine, eu volto à escola, Amália continua a acompanhar as refeições, as minhas receitas e o meu starter ficam no restaurante.

Hoje não há receita, mas vou pedir autorização ao Tobias, o meu chef de cozinha para colocar aqui algumas receitas dele e do restaurante quando terminar o meu estágio.

As fotografias bonitas são do site do restaurante, as menos bonitas foram tiradas com o telemovel na correria da cozinha, talvez esta semana tenha tempo para fotografar melhor as nossas actividades.

Um abraço a todos e até breve.

A escola

Como prometido aqui fica o primeiro de alguns posts e fotografias sobre o  meu curso e escola. Durante a semana os nossos dias começam cedo. Às sete saímos de casa. Da nossa porta ao escritório do viking é um passeio de quinze minutos, eu continuo mais dez para chegar à escola. Aqui estudo eu. Para além de cursos profissionais para adultos, a escola funciona também como uma escola secundária com cursos semelhantes ao antigo técnico-profissional. No total somos 1300 alunos, a escola ocupa um quarteirão e tem seis pisos.

É uma escola realmente interessante. Há lojas onde os alunos que estudam cursos de florista ou moda podem vender os seus produtos, um cabeleireiro, um take away, uma pastelaria, dois restaurantes abertos ao público, e mais duas cantinas só para alunos e pessoal da escola.

No meu curso temos aulas todos os dias das oito às quatro. Às terças, quintas e sextas feiras estamos na  cozinha dos restaurantes da escola, nos restantes dias temos aulas teóricas. As cozinhas ligadas aos restaurantes são enormes!

Nas cozinhas estamos organizados em estações e trabalhamos com a nossa professora Christine, o chefe da cozinha quente, e a chefe da cozinha fria.

A cozinha fria

A cozinha quente (que na realidade é muito maior do que parece aqui.)

 

Vista das bancadas de trabalho na cozinha quente

Aqui fazemos também o pão que se consome no restaurante. (Na grande padaria da escola trabalham os alunos do curso de Padaria/pastelaria e é ai que se fazem os bolos, e todos o tipo de pães que se vendem na pastelaria.)

Assim que começámos as aulas práticas, a minha professora, sabendo do meu gosto pela padaria, enviou-me sozinha para esta estação. Eu estava no céu e determinada a impressionar. Munida de receitas e ingredientes, perguntei a um dos professores como se utilizava a máquina amassadeira, e fechei-me na padaria.

A mini bageri num cantinho da cozinha fria

 

Aqui podia eu viver ;)

Enquanto a primeira massa era amassada, virei-me de costas para ler a segunda receita. De repente ouvi um ruido estranho e virei-me mesmo a tempo de ver a grande tigela sair do suporte, voar pela padaria e aterrar, massa para baixo, no chão. Uma estreia em cheio! O resto da semana correu felizmente bem  melhor! E no último dia na estação fiz uns deliciosos pães com sourdough usando o meu starter e a  minha receita. Foi um sucesso e até já traduzi a receita para os professores.

A maquineta que me levou às lágrimas no primeiro dia.

 

Sucesso! Os meus primeiros pãezinhos com sourdough seguindo a minha receita!

Há umas semanas a escola recebeu uma encomenda de setecentos canapés. Eu fui uma dos quatro alunos responsáveis pelo serviço. Trabalhámos três dias, e tivemos também oportunidade de estar no local onde os canapés foram servidos e falar um pouco do nosso curso. O meu canapé favorito, crostini com queijo brie e compota de abóbora e cardamomo, despareceu num abrir e fechar de olhos. Eu já repeti a receita da compota em casa, talvez amanhã tenha tempo de tirar algumas fotografias para a partilhar convosco.

A contar crostini em sueco para praticar =D

 

O maravilhoso doce de abóbora

 

Os nossos canapés

Não imaginam a correria dos meus dias, depois das aulas ainda venho para casa estudar. Até agora não tenho tido dificuldades com os aspectos práticos. Mas há imenso vocabulário ligado às cozinhas comerciais que tenho de aprender em sueco. O viking diz que durante a semana eu funciono a adrenalina, e é verdade. Durmo pouco, como pouco, estou na escola, ou a repetir receitas em casa, ou a estudar. Gostava de ser mais descontraída, menos obcecada com o curso, com aprender, com ser perfeita,  com fazer tudo correctamente, saber as respostas antes de ouvir as questões dos professores, mas quem nasce rato de biblioteca, tarde ou nunca se endireita.

Durante a próxima semana a minha turma vai gerir sozinha os dois restaurantes que servem clientes, o viking marcou mesa para ele e uns colegas para o almoço de sexta-feira. Daqui a duas semanas começo um período de estágio num restaurante no centro de Malmö. E tanto ainda para estudar….

Aos fins-de-semana por muito que tente, não consigo abrandar  o passo e com muita pena minha, acaba por ser a Padaria  a sofrer. Já pensei em fechar a opção dos comentários porque a verdade é que eu, embora continue a seguir os vossos blogues no Google reader  quase todas as noites antes de me deitar, simplesmente não tenho tempo nem força suficiente para vos deixar uma mensagem.

Hoje é domingo, sentei-me agora frente ao computador, são quatro e meia da tarde, até fazer o upload deste post e acrescentar as fotografias são horas de jantar. O viking pediu fondant de chocolate para a sobremesa. Tenho de me apressar!

Obrigada por me acompanharem nesta viagem, e não se esqueçam do Convidei para Jantar que está este mês muito elegantemente instalado em casa da nossa Alice!

Até breve ;)

A Leap of Faith

O  momento em que sem rede nem segurança decidimos avançar. Acreditamos. Temos força, temos fé, arriscamos.

Se tiver sorte e a genética não me falhar, aproximo-me a passos largos do fim da primeira metade da minha vida. Era altura de mudar, deixar uma carreira da qual me tinha desencantado e seguir o meu sonho. Durante o Verão trabalhei num restaurante, em Setembro voltei à escola.

Com a mesma alegria e excitação com que me sentei pela primeira vez nas “carteiras” da escola primária, preparo-me todas as noites para as aventuras do dia seguinte. As semanas passam a correr, entre as aulas práticas e teóricas, receitas, técnicas, regras de higiene e nutrição, tachos e panelas, novos colegas e professores. Quando for grande vou ser cozinheira.

A Padaria volta a abrir as portas depois de um necessário período de adaptação, penso que compreenderão. Tenho saudades de escrever, de partilhar convosco as minhas receitas e descobertas, de vos ter aqui na Padaria para dois dedos de conversa e um pãozinho acabado de sair do forno.

De regresso está também o Convidei para Jantar. A nova edição começa já amanhã! Quem será a nossa anfitriã?