Doces, conservas e compotas

Marmelada com uma história de terror

 Imagino que por esta altura ninguém  precise de outra receita de marmelada, mas depois de meses a sonhar com este doce, consegui finalmente comprar marmelos, uma estreia por aqui. Podia até ter reservado este post para o Halloween, porque mais do que uma receita de marmelada, esta é uma história de terror.

Quando era criança, era na casa da  minha que se preparava este e outros doces e compotas. A minha mãe despertou tarde para as artes culinárias, e se é verdade que hoje venho de Portugal com frasquinhos dos seus magníficos doces e figos em calda, tempos houve em que a cozinha da minha progenitora era, devido aos seus temíveis cozinhados, dos quais com horror destaco: mão de vaca, sopa de feijão, soja e ovos escalfados, pouco mais do que um local de tortura.

Certo dia, não sei porquê, a minha mãe decidiu fazer marmelada, pelo que a minha irmã e eu nos instalámos com ela na cozinha, prontas a acompanhar o acontecimento. Com os marmelos já cozidos numa enorme panela, a minha mãe trouxe da despensa um pacote de açúcar, (penso que a marca era Sidul, um pacote de cor parda com letras azuis e cor de rosa).

Com espanto e incredulidade  notámos o que nos pareceu impossível, o açúcar  que a minha mãe estava a deitar sobre os marmelos tinha formigas! A minha mãe, peremptória como só ela, ignorou os nossos pedidos para que por favor poupasse as pobres formigas, com um simples “Não faz mal fica a marmelada com mais proteínas.”

E foi desta forma que cheias de horror  assistimos à chacina das formiguinhas, que depois de cozidas vivas, e como se isso não fosse suficiente, foram trituradas pela varinha mágica.

Escusado será dizer que fomos obrigadas a comer a marmelada  nos nossos habituais papo-secos para o lanche da escola, e cada vez que trincávamos algo mais duro, ou víamos um pontinho escuro na marmelada, que bem podia ser um restinho de caroço, lá nos lembrávamos das formiguinhas a ferver. A minha mãe pouco dada a “frescuras” rematava a conversa com “ficou boa a marmelada, as formigas deram-lhe um picantezinho”.

Felizmente, penso, não foi receita que tenha repetido.

A receita que se repete é a da minha tia, vinda de uma Teleculinária de 1980. No blog da minha tia podem ver também a sua deliciosa receita de geleia de marmelos.

Para a marmelada

Para os meus sogros que nunca comeram marmelada, fiz estes mini "queijinhos"

Ingredientes:

  • A mesma quantidade de açúcar e marmelos limpos (guardem a casca e caroços para a geleia)
  • 1 dl de água por cada quilo de marmelos.
  • 2 paus da canela

Preparação:

Levem ao lume todos os ingredientes. Quando o doce começar a ferver contem vinte minutos (eu queria uma marmelada mais escura por isso contei 30).

Retirem os paus de canela, passem a marmelada pela varinha mágica e coloquem em taças tapadas com papel vegetal a secar. Depois de seca podem guardar a marmelada no frigorífico.

Setembro, o regresso a casa e o início do mês das colheitas – Geleia de Lingon

Com saudades do Sol, da praia e da família, regressámos a casa. É Setembro, por aqui o fim do Verão chega com a tentativa de guardar os últimos raios de Sol em frascos, a preparação de doces, geleias e outras compotas, a grande colheita de frutos e, o passatempo favorito de muitos suecos nesta época do ano – apanhar cogumelos.

Lingon, amora alpina ou arando vermelho, é uma pequena e quase amarga baga muito popular na Suécia e com a qual se prepara uma deliciosa geleia, ideal para acompanhar carne, as tradicionais almôndegas, ou usada em bolos e sobremesas.

Para a minha geleia de Lingon usei açúcar com pectina, que já se vende também em Portugal, uma excelente opção para a preparação de geleias de frutos mais delicados em muito menos tempo e com menos açúcar. A receita é facilmente adaptável a outros frutos silvestres caso não encontrem em Portugal lingon.

Ingredientes:

  • 600 gramas de bagas de lingon
  • 200 gramas de açúcar com pectina
  • ½ dl de água

Preparação:

Depois de limpas misturem as bagas de lingon com o açúcar e a água num tachinho. Levem a lume médio e fervam durante 6 minutos. Retirem a espuma que se vai criando cuidadosamente, são impurezas que vão tornar a geleia menos clara e “limpa”. Depois de fria guardem a geleia em frascos no frigorífico. Dura o tempo que lhe conseguirem resistir.

Dessert wars – Gelado de abacate e lima com geleia de vinho do Porto/Avocado lime ice cream with Port wine jelly.

Scroll down for the English translation.
 
Dessert wars é um grupo criado  pela  Reeni  -  Cinnamon Spice & Everything Nice  e pela Christine  dos The Cupcake Bandits. A edição de Março  tem como tem a cor verde! Foi-nos dada uma lista de ingredientes verdes, desde os mais comuns, como lima e menta, a pandan, wasabi e abacate, que teríamos de usar para criar uma sobremesa original. Para participar este mês, inspirei-me na minha forma favorita de comer abacate,  fresquinho, com sumo de lima/limão, açúcar e vinho do Porto. Para isso criei um gelado de abacate e lima, servido com uma geleia de vinho do Porto. É original e absolutamente delicioso! O gelado é muito simples de se fazer, e como o abacate já tem gordura mais do que suficiente para lhe dar a cremosidade necessária, optei por não usar natas na receita.
 
 

 

 

Ingredientes:

Gelado: (4 a 6 pessoas)

  • 3 abacates maduros
  • 4 dl de leite
  • Sumo e raspa de meia lima
  • 3 colheres de sopa de açúcar

Geleia de vinho do Porto:

  • 1 dl de vinho do Porto
  • 1 dl de água
  • 1 colher de sopa de açúcar
  • 1 pau de canela
  • 1 folha de gelatina

Preparação:

Descasquem e limpem os abacates, triturem todos os ingredientes  no processador de alimentos  ou usando a varinha mágica, até obterem um creme macio.

Gelem seguindo as instruções da vossa sorveteira ou coloquem o gelado numa tigela normal e enquanto este congela retirem-no várias vezes do congelador e batam-no com uma batedeira eléctrica

Para a geleia:

Num tachinho levem ao lume a água, pau de canela, e açúcar, deixem ferver uns minutos, acrescentem o vinho do Porto. Retirem do lume. Amoleçam a folha de gelatina em água fria, escorram-na bem e adicionem-na ao preparado anterior. Levem ao frigorífico até solidificar.

Antes de servir decorem o gelado com a geleia cortada em pedacinhos.

 

(Information about DW and  prizes were  given in Portuguese)

So we had to use green food… This was a tough one. My first idea was to create a new take on the cheese, crackers and wine dessert. I have tried to bake green cheese cookies twice,  I had the not so brilliant idea of baking cheese/almonds Florentines. In my mind they looked green and delicious, in real life they resembled an over baked pizza. So green cheese was out.  Back to the list, and another crazy thought, how about a spinach cake.  I baked it, following a zucchini cake recipe,  but I really didn’t like the flavor, maybe I used too much spinach, I don’t know, and I guess I’m not going to find out, this is something I won’t be trying any time soon.

Third option, avocado. As weird as this may seem to you, I associate avocado with sugar and desserts. Many years ago when  it was very hard if not impossible to buy this fruit in Portugal, my father would sometimes bring boxes of avocados from Madeira that we ate  just by removing the pit and filling the hole with sugar, lemon or lime juice and Port wine. This has always been my favorite way to eat avocados and my inspiration for this recipe. Avocado lime ice cream and Port wine jelly.

 

  • Ingredients:
    Ice Cream:
    3 ripe avocados
    4 dl milk
    Juice and zest of half a lime
    3 tablespoons sugar
  • Port Wine Jelly:
    1 dl Port wine
    1 dl water
    1 tablespoon sugar
    1 cinnamon stick
    1 sheet gelatin

Peel and pit the avocados. Add the avocados, lime, milk, and sugar to a blender and puree. Place the mixture into the refrigerator and chill.
For the jelly:
In a saucepan bring to boil water, cinnamon stick, sugar and let boil for one minute, add the port wine. Take away the heat. Soften sheet gelatin in cold water, drain it well and add it to the mixture. Allow it to  set.
Before serving, decorate the ice cream with jelly cut into small pieces.

Os prémios para este mês são:

The March prize package includes:

Whisk  and cupcake necklace from Moon & Star Designs

The Smartshopper Electronic Grocery List Organizer

Beanilla  Sampler Pack of Vanilla Beans

Lenox Personalized Musical Cupcake

1,000 ideas for Decorating Cupcakes, Cookies & Cakes

Endless Vanilla and Cinnamon Extract

Unlimited Layers: A Recipe for Turning Your Passion into Profits

Organic Valley $50 Gift Certificate

Organic Prairie $50 Gift Certificate

Theme Kitchen $50 Gift Certificate

BEKA Cookware Crepe Pan

Confit de laranja

Confit de laranja – alquimia na cozinha – Orange Confit – tackling Bittman

Recipe in English – Bittman video -  here

Alquimia é como Mark Bittman, descreve esta receita do seu amigo Scott Carsberg,  e é verdade, com açúcar e água se transformam laranjas em ouro.  O meu irmão, outro admirador do minimalista, preparou esta receita para o Natal, é absolutamente fantástica.    As laranjas não ficam demasiado doces, nem sabem minimamente a laranjas cristalizadas. Esta receita serve 16, mas como depois de pronta dura no frigorífico meses, vale a pena o investimento inicial. Com uma bola de gelado ou um pouco de chantilly, têm uma sobremesa rica e requintada em segundos. Não se assustem com os nomes das técnicas, tempo que demora a concluir a  receita, e quantidade de açúcar que vamos usar. Verão que como todas as coisas perfeitas, é no fundo bastante simples.
 
Aproveito este post para participar no Tackling Bittman de Março, que está  este mês a decorrer em casa da Chaya no My sweet and Savory
.
 

 

Termos culinários que podem desconhecer:

 - Confit – é uma forma muito antiga de preservar comida e teve origem em França. Obtém-se preparando um alimento  mergulhando-o noutra  substância (azeite, gordura de pato, água e açúcar..) de modo a preservá-lo e dar-lhe sabor.

 - Branquear – é uma técnica na qual se fervem os alimentos, geralmente vegetais, durante breves momentos.  Para impedir que os alimentos continuem a cozinhar, retiram-se rapidamente da água a ferver e mergulham-se em água gelada. (Nesta receita não se usa a segunda parte)

Ingredientes:

4 laranja

1,150 kg de açúcar

Preparação:

Coloquem as laranjas inteiras numa panela com água, deixem ferver durante 30 segundos. Troquem a água e repitam a operação. (a esta técnica chama-se branquear)

Cortem cuidadosamente as laranjas em quartos. Voltem a colocá-las na panela com metade do açúcar e cubram a mistura com água. Deixem ferver no mais mínimo dos lumes, durante 8 horas, vão acrescentando aos poucos água de modo a que as laranjas estejam sempre cobertas. (Podem desligar o lume e voltar a ligar desde que no fim o tempo totalize oito horas)

Passadas estas oito horas, retirem cuidadosamente as laranjas da panela, deitem fora a calda de açúcar e água. Voltem a colocar as laranjas na panela, cubram com o restante açúcar e água, fervam durante mais oito horas.

Deixem arrefecer bem e guardem em frascos impecavelmente limpos no frigorífico.