Sobremesas light

Tudo azul – Sorbet e um pedido de desculpas para o aniversário da Su

Dizem-me por vezes que tenho uma memória excêntrica, é verdade. Raros são os poemas que sei de cor, não consigo cantarolar uma música sem que me engane na letra uma ou duas vezes, esqueço-me constantemente das datas de aniversário e idades de amigos e família.

Mas lembro-me  de pequenos detalhes que talvez vos pareçam muito menos importantes. Histórias da infância de amigos,  o anel de um estranho no autocarro, uma conversa  entre amigas na mesa de café ao lado da nossa. Lembro-me da chegada de cada novo amigo a esta Padaria. Lembro-me da primeira vez que falei com a Su.

Lembro-me e arrependo-me porque sei agora, com a chegada do primeiro aniversário do teu blogue, que embora gostemos tanto de conversar uma com a outra, nunca te pedi desculpa. E já passou um ano. Talvez não te lembres, no fórum que frequentávamos havia um tópico sobre comida light. Às tantas eu sugeri que se substituíssem natas por sourcream, e tu muito educadamente respondeste que tinhas a ideia de que o sourcream tinha por vezes mais calorias que as natas. Eu perdi a cabeça e disse que natas com 5% de gordura não eram natas e qualquer coisa do género de “no que diz respeito a calorias, não é ter ideias, é ler os rótulos.”. Não fui mal-educada, mas demasiado brusca, mais ainda para uma forista que realmente não conhecia. Arrependi-me assim que li a mensagem, mas não tive coragem de a editar, nem de me desculpar. Tu ainda me respondeste com delicadeza e disseste gostar muito do meu blogue. Fui ver o teu, até hoje.

Os nosso blogues não podiam ser mais diferentes, o meu está cheio de manteiga, natas gordas, doces e pão, a Suvelle Cuisine oferece-nos os mais delicados pratos sempre lindos e leves, pouca gordura, pouco açúcar. E no entanto, no meu dia-a-dia faço uma alimentação tão  cuidada como a da Su, e em dias especiais, a Su deleita-se com  uma valente tosta com queijo derretido, ou um crème brulée feito a preceito. Olhando para nós e para os nossos blogues,  parecemos o mais estranho dos pares, e ainda assim as nossas ideias, gostos e personalidades são muito mais parecidas do que alguma vez poderíamos imaginar.

Para participar no passatempo do aniversário da Su, escolhi uma receita que brinca um pouco com a ideia de estranhas combinações.

O que têm em comum o meu viking, Heston Blumenthal e o Dr Oz? (Não, não tenho nenhuma paixão assolapada pelo Dr Oz,  por isso não é  o que estão a pensar…)

Desistem?

O pequeno-almoço. Iogurte e mirtilos. Entrada mais saudável para um novo dia não há. Estas pequenas bolinhas azuis são uma bomba de vitaminas e outros benefícios para o nosso bem-estar.

Curiosamente o chef cuja receita de puré de batata indica 500 gramas de batatas para cada 250 gramas de manteiga (leram bem), opta por iogurte magro, enquanto o guru da boa forma escolhe iogurte grego com 3% de gordura*. E com razão, se lerem os rótulos de alguns iogurtes, verão que a menos gordura não correspondem necessariamente menos calorias. Desprovido de gordura e sabor o iogurte precisa de mais açúcar ou adoçantes para continuar apetecível. Para esta receita uso também iogurte grego 3% de gordura, e não acrescento sequer uma colher de mel.

 É uma forma fantástica de transformar o pequeno-almoço em sobremesa e de nos deliciarmos com uma tigela de gelado a  meio da semana sem peso na consciência.

Esta é uma versão do Sorbet minimalista que vos apresentei talvez há um ano,  faço-a muitas vezes com frutos diferentes, nectarinas e pêssegos, qualquer tipo de frutos silvestres… tenho a certeza de que vão adorar.

Mais simples não há:

Ingredientes:

2 partes de fruta congelada para cada parte de iogurte

Açúcar, mel, ou o que acharem necessário.

Preparação:

Tudo no processador de alimentos, ou misturado com a varinha mágica. Sirvam imediatamente, Se colocarem o sorbet no congelador vai ficar bastante mais duro do que gelado normal, por isso retirem-no no frio uns minutos antes de servir.

* – Ouvi a informação referente aos 3% de gordura noutra entrevista.

Heston Blumenthal para amadores – Sorbet de cassis com manga

 Aqui está uma versão menos high tech e bastante mais simples de uma receita do Chef Heston Blumenthal, se conseguirem encontrar gelo seco, podem seguir a receita original,  que na sua confecção parece bem mais espectacular.  Fiz algumas adaptações à receita em termos de ingredientes e preparação, mas o resultado final é realmente delicioso, o sorbet com o seu tom forte e escuro é leve e cremoso, com uma levíssima nota a vodka no fim.
 
 
 
O truque para se conseguirem gelados e sorbets cremosos é, como todos sabemos, gelar o creme o mais rapidamente possível o que diminui a formação de cristais de gelo. Quando fazemos gelados com uma base de gemas e natas, a gordura ajuda a criar uma textura cremosa,  com sorbets penso que a melhor forma de conseguir bons resultados é, e tendo em consideração que não temos acesso a gelo seco, partindo de fruta já congelada em vez de, como sugere a receita do chef, de puré de cassis.
Fiz o meu melhor para tornar as fotografias apetitosas, mas compreendam que fotografar um gelado bordeaux escuro tem as suas limitações.
 

Ingredientes:

  • 500 gramas de cassis ou groselheira-preta (blackcurrant) congeladas
  • Frutose ou açúcar a gosto (adoçante em pó para uma sobremesa ultra light)
  • 1dl de água
  • 0,4 dl de vodka
  • Sumo e raspa de meia lima

Para acompanhar:

  • Manga
  • Flocos de chilli seco

Preparação:

Eu uso o meu fiel amigo , o processador de alimentos, para esta receita, mas uma varinha mágica ou copo de batidos também funciona, nesse caso talvez tenham de acrescentar um pouco mais de água.

Misturem a água com a frutose e levem ao lume até que esta esteja diluída. Reservem. No processador de alimentos coloquem as cassis sem descongelar, acrescentem todos os restantes ingredientes e processem até obterem a consistência desejada. Se desejarem passem o creme por um passador de rede fina, como não gosto de sentir as sementes de cassis é o que faço, mas é facultativo. Guardem no congelador.

Para servir, retirem o sorbet do frio com alguns minutos de antecedência. Coloquem a manga cortada em cubinhos num prato, polvilhem com os flocos de chilli e por cima equilibrem uma bola de sorbet.

Ai pudesse eu ter um jardim…. – Gelatina de ruibarbo e pêra com canela

Se há altura do ano em que gostaria de viver numa casa com um jardim  fora do centro da cidade, é a chegada da Primavera, quando me acomete  uma incontrolável vontade de plantar flores e legumes. Isto é tanto mais estranho porque eu nunca plantei nada que não fossem vasinhos de ervas aromáticas, não percebo patavina deste assunto,  não aprecio particularmente o contacto com a natureza, e tenho um medo paralisante de insectos e pequenos animais.
 Ainda assim sonho, por breves semanas que antecedem a chegada das alergias, com uma horta, cheia de morangos e tomateiros, uma horta onde eu pudesse ir apanhar, quando as batatas e o salmão já estivessem prontos a servir, endro fresquinho, e sempre que me apetecesse esta sobremesa  uns talos de ruibarbo.
 
 

Ingredientes:

  • 4 talos de ruibarbo
  • 1 pêra
  • 1 pau de canela
  • 70 gramas de açúcar (1dl de adoçante em pó se preferem uma versão super light)
  • 4 folhas de gelatina.

Preparação:

Lavem e cortem  o ruibarbo e a pêra  em pedacinhos. Coloquem-nos num tacho ao lume juntamente com 2,5 dl de água, o açúcar e o pau de canela.

Cozam em lume brando até a fruta se começar a desfazer e o líquido da cozedura ter ganho um tom rosa.

Coem o líquido usando uma passador de rede fina. Tenham cuidado para não deixar passar pedaços de fruta.

Para esta gelatina vamos apenas usar a calda onde cozeu a fruta. Podem aproveitar a polpa depois de escorrida para fazer gelado, triffle, ou comer com iogurte.

Amoleçam as folhas de gelatina num pouco de água fria e dissolvam-nas na calda de ruibarbo. Deitem o preparado em tigelinhas ou pequenas formas e guardem no frigorífico até servir.

Eu decorei a minha gelatina com iogurte e um pouco de amêndoas para lhe acrescentar uma textura estaladiça, mas creme de baunilha, frutos silvestres, chantilly  ou morangos são também excelentes alternativas.

Ananás grelhado com iogurte e chili

 Quando penso em doces com menos calorias, ou em versão low carb, evito sempre que possível, como estava na moda há uns anos, substituir simplesmente o açúcar por adoçante nas receitas.
 Para vos ser honesta nunca percebi bem o sucesso de alguns livros de receitas estilo “ Doces sem açúcar”. Na minha opinião a ideia de uma mousse de chocolate cheia de natas e manteiga, mas feita com adoçante, é um perfeito disparate. Acho que sobremesas diferentes, com produtos simples e verdadeiros, em que se fazem realçar os sabores naturais de cada ingrediente, são muito mais saudáveis e interessantes!
É o caso deste ananás grelhado com um dip de iogurte, a mistura com o chili pode parecer um pouco estranha, mas acreditem que resulta pois intensifica o sabor do ananás tornando-o mais doce.
 

 

 Eu uso iogurte turco como 3,5% de gordura, podem substitui-lo por iogurte grego. Com iogurte magro, acredito que a sobremesa perca um pouco da sua riqueza e se pareça mais com um pequeno-almoço.

Ingredientes:

  • 1 ananás
  • 2 dl de iogurte turco 3,5% de gordura
  • 1 pitada de chili em flocos
  • 1 colher de sopa de mel

Preparação:

Aqueçam o vosso grelhador.

Descasquem e limpem o ananás, cortem-no em fatias com aproximadamente 2 cms de grossura.

Grelhem o ananás dos dois lados, não é preciso qualquer tipo de gordura.

Para o dip basta colocar o iogurte em tacinhas e polvilhar com os flocos de chili. Eu não acrescento açúcar ou mel ao iogurte, mas fica ao vosso critério.

Pincelem o ananás depois de pronto e ainda quente com o mel e sirvam com o dip de iogurte.