A marmita do viking · refeições rápidas

Tarte de azeitonas e tomate

Mais uma refeição leve, muito fácil de preparar e deliciosa. Inspirei-me para criar esta receita numa tarte que comi num dos nossos super dates. É difícil indicar a quantidade de azeitonas e tomates secos em azeite porque vai depender muito do tipo de ingredientes que estão a usar e do vosso próprio gosto. Os tomates em azeite que uso são estes, se não gostam podem fazer a tarte apenas com tomates frescos e azeitonas.
 
Ingredientes:
 1 receita de base para tartes salgadas (ou outra receita)
Para o recheio:
3 ovos
3 decilitros de sour cream ou creme fraiche ou natas ou leite
 2 colheres de sopa bem cheias de queijo creme com sabor a alho e ervas (estilo Philadelphia)
 Tomates secos ao sol e conservados em azeite (usei o equivalente a 3 tomates)
Azeitonas (usei azeitonas pretas gregas)
 1 tomate fresco
 
Preparação:
Preparem a base da tarte, sem a cozer! Numa tigela batam os ovos o sour cream e o queijo creme, juntem os tomates secos e as azeitonas picadinhas. Rectifiquem os temperos.  Deitem o preparado sobre a base de tarte e decorem com fatias de tomate fresco. Levem ao forno, seguindo as instruções da receita da base de tarte.
pão, sourdough

Baguetes com alecrim

 

Se não estão habituados a estas medidas, leiam por favor este post.

Eu fiz metada de receita e obtive 3 baguetes de tamanho médio.

Ingredientes:
1 pacote de fermento de padeiro (50gramas de fermento fresco/12 gramas de fermento seco)
5 dl de água
1,1 l (11dl) de farinha de trigo
1 colher de sopa de óleo
1 colher de sopa de sal

Para guarnecer:
1 dl  de azeite
1 colher de sopa de sal grosso
1 colher de sopa de alecrim

Preparação:
Desfaçam o fermento em água morna( 37°C  para fermento fresco, 40°C  para fermento seco)

Adicionem o sal, óleo e farinha, misturem bem até obterem uma massa lisa.

 Deixem descansar o preparado durante uma hora.

 Passado este tempo coloquem a massa numa superfície enfarinhada e amassem a massa até que  esta fique elástica. Dividam a massa em três partes iguais e  formem as baguetes.

Torçam cada baguete duas ou três vezes. Coloquem-nas no tabuleiro de ir ao forno, forrado com papel vegetal, cubram com um pano e deixem a massa fermentar mais 30 minutos. Liguem o forno – 225°C. Pincelem as vossas baguetes com azeite e polvilhem-nas com sal e alecrim.   Com uma faca façam 3 cortes nas baguetes.

 Cozam-nas no forno durante cerca de 25 minutos.  (Abram o forno passados 10 minutos e borrifem o pão com água para obter uma crosta estaladiça.)

bolinhos e bolachas · pão, sourdough

Quadradinhos de centeio

Podem fazer esta receita com vários tipos de farinha e com as especiarias ou ervas secas que mais vos agradam. O resultado são umas bolachinhas salgadas, excelentes para se servir como uma bebida e um pouco de queijo ou doce.

Se não estão habituados a este tipo de medidas, leiam este post.

Ingredientes:
1 decilitro de farinha de centeio

1 1/5 decilitro de farinha de trigo
1 colher de chá de sal
1 colheres de chá de bicarbonato de sódio
1 decilitro de água quente
3 colheres de sopa óleo de girassol (ou outro óleo)

1 colher de café de orégãos secos

Preparação:

 Misturem as farinha, o sal e  o bicarbonato de sódio. Adicionem a água e o óleo. Amassem até obterem uma massa lisa, juntem os orégãos, ou outras ervas que prefiram.

Estendam a massa e cortem em quadradinhos, piquem-nos com um garfo e levem ao forno (175*C) durante 20 minutos, ou até estarem douradinhos.

livros

“Pic-nic” com Cesário Verde

Está a chover, hoje não há piqueniques ou praia, restam-me sonhar com quadros de Renoir e grandes talhadas de melão comidas ao sol.

 De tarde

Naquele “pic-nic” de burguesas,
Houve uma coisa simplesmente bela,
E que, sem ter história nem grandezas,
Em todo o caso dava uma aguarela.  

Foi quando tu, descendo do burrico,
Foste colher, sem imposturas tolas,
A um granzoal azul de grão de bico
Um ramalhete rubro de papoulas.  

Pouco depois, em cima duns penhascos,
Nós acampámos, indo o sol se via;
E houve talhadas de melão, damascos
E pão de ló molhado em malvasia.

Mas, todo púrpuro, a sair da renda
Dos teus dois seios como duas rolas,
Era o supremo encanto da merenda
O ramalhete rubro das papoulas!

 

Cesário Verde –