bolinhos e bolachas · Daring Bakers · Heston Blumenthal

Madalenas com Mel

Madalenas com Mel

Experimentei esta receita de Heston Blumenthal (Madeleine biscuit base)  há algum tempo para a base de um bolo num dos desafios dos daring bakers. A massa é tão macia e deliciosa que não resisti  voltar a usá-la desta vez na forma de pequenas bolachas. São estaladiças mas fofas por dentro, douradinhas e com um ligeiro travo a mel, altamente desaconselháveis a quem, tal como eu, resiste a tudo excepto à tentação de comer só mais uma bolachinha. 

Ingredientes: (para umas quinze bolachas)

  • 50 gramas de manteiga derretida
    1 ovo
    30 gramas de mel
    60 gramas de farinha de trigo
    30 gramas de icing sugar
    1 colher de chá de fermento em pó
    1 pitada de sal
    1 colher de sopa de leite
  • 

Preparação:

Aqueçam o forno (200ºC) e derretam a manteiga.

Batam o mel e o ovo até obterem um creme muito leve e esbranquiçado. (Demora com a batedeira uns 5 minutos.)

A este creme juntem envolvendo com cuidado, todos os ingredientes secos, para evitar grumos é melhor que os peneirem antes.

Acrescentem finalmente a manteiga derretida e ligeiramente arrefecida e o leite, misturem sem bater.

Deitem colheradas desta massa num tabuleiro de ir ao forno forrado com papel vegetal, alisem ligeiramente as bolachas e cozam-nas durante 10 minutos ou até estarem douradinhas.

A minha vida na Suécia · Cozinha da Ásia e do Médio Oriente · Ingredientes Novos

Ano novo, ingredientes novos – Rice Noodles

Bild - http://www.oresundsregionen.se/

Ano novo, ingredientes novos  – Rice Noodles

É comum que, imbuídos de esperança, euforia e álcool que fazem parte da chegada do novo ano, proclamemos  com orgulho as grandes mudanças que queremos fazer na nossa vida. Eu também pensei que o início de mais um ciclo deveria trazer algo de novo. As minhas promessas para 2011  estão obviamente ligadas à minha cozinha. Neste ano prometo que vou cozinhar com pelo menos um ingrediente novo todos os meses. Promessa feita, promessa esquecida, até sábado quando o peso na consciência me arrastou para uma loja de produtos asiáticos em  Möllevången, uma área cheia de lojas, restaurantes e cafés de imigrantes onde adoro fazer compras.  

Asien Trading é uma pequena loja onde podemos encontrar, em prateleiras apinhadas ao ponto de aparente colapso, uma grande variedade de ingredientes usados na cozinha asiática, é lá que compro habitualmente  wasabi, molhos tailandeses, massa de ovo e latas de litchias.

Desta vez trouxe também dois ingredientes novos – Molho de Ostras e Massa de Arroz “Rice noodles”.

Esta massa, branca e muito dura é feita de arroz e tapioca o que lhe dá um aspecto e consistência um pouco gelatinoso. O pacote que comprámos veio do Vietname.

A preparação de Rice Noodles é um pouco diferente da dos outros tipos de massa.

  • Ferve-se água numa panela.
  • Apaga-se o lume e coloca-se dentro a quantidade de massa que se quer preparar. Eu não resisto a acrescentar sal.  A quantidade de massa por pessoa não deve ultrapassar os 25 gramas.
  • Suavemente vai-se mexendo a massa na água durante 3 a 7 minutos. (o melhor é ir provando,  não deve ficar mole.) Notem que se vão usar esta massa numa sopa, quando acrescentarem o caldo a massa continua a cozer, por isso nesse caso reduzam o tempo de preparação dos rice noodles na água.
A marmita do viking · Peixe · refeições rápidas

Hambúrgueres de Salmão

Hambúrgueres de Salmão

Costumo comprar salmão em metades que depois arranjo e congelo em doses prontas a cozinhar. Com as partes menos bonitas do peixe, faço estes hambúrgueres, patês ou lasanha. Uso salmão mas esta receita adapta-se facilmente a qualquer peixe, é excelente para aproveitamento de restos de peixe cozido com legumes e batatas. Os hambúrgueres podem ser fritos em pouquíssimo óleo, ou preparados no forno. Para os tornar ainda mais apetecíveis passo-os antes de fritar ligeiramente por pão ralado, ou como fiz desta vez, por uma mistura de pão ralado e um resto de tortilhas trituradas, super crocante!

 

Ingredientes: (4 hambúrgueres médios)

  • 300 gramas de batatas (ou mistura de legumes) cozidas
  • 300 gramas de peixe (podem usar peixe cru ou cozido)
  • 1 ovo
  • 2 colheres de puré de batata em pó
  • Cebolinho a gosto (ou outra erva fresca picadinha)
  • Chili fresco (sem sementes) picado
  • Sal e pimenta q.b.
  • Pão ralado para panar  e óleo para fritar.

Preparação:

Triturem todos os ingredientes no vosso processador de alimentos (ou na 1, 2, 3), até obterem a consistência que desejam, eu gosto de ainda ver os bocadinhos de peixe e batatas inteiros. Temperem e deixem descansar o preparado uns vinte minutos. Formem hambúrgueres, passem-nos levemente por pão ralado e fritem-nos durante alguns minutos numa frigideira com pouco óleo. (Podem colocá-los também no forno durante 10, ou até estarem douradinhos. Eu sirvo os meus com salada e sour cream (podem usar iogurte natural)  com cebolinho ou endro picado.

A minha vida na Suécia · A Pastelaria · Cozinha da Ásia e do Médio Oriente

Baklava em Malmö

Baklava em Malmö

Este fim-de-semana a padeira cá de casa esteve de folga. Aproveitámos a neve ter derretido, embora saibamos que ainda volta, e para aproveitar este ficcional início de Primavera, fomos às compras a pé ao meu mercado e zona favorita da cidade – MÖLLEVÅNGN.

A visita ao mercado não foi tão agradável como costuma ser nos dias mais quentes, a verdade é que mesmo sem neve e o sol a brilhar, a temperatura ao meio-dia rondava os zero graus, e  como imaginam tirar as luvas para escolher fruta e legumes semi gelados  é penoso, especialmente para  mãos de  padeira habituadas ao calor do forno.

Para nos aquecermos depois das compras fomos tomar café  numa das nossas pastelarias favoritas – Al basha – uma casa especializada em doces e bolinhos do Médio Oriente.

A baklava é um destes doces, tradicionais na Turquia, Médio Oriente e países dos antigos Balcãs.  São bolinhos formados por leves camadas de massa filo e diferentes tipos de frutos secos picados que depois de cozidos se encharcam numa calda de mel ou xarope de açúcar.

 Como nunca nos chegam os quadradinhos de baklava que comemos no Al Basha, e há sempre mais e mais sabores e variações para experimentar, trazemos para casa habitualmente uma caixa de bolinhos para ir comendo durante o fim-de-semana. Estes duraram com algum esforço e disciplina, até ontem à tarde.