A minha vida na Suécia · A Pastelaria · Doces, conservas e compotas · Ingredientes Novos · refeições rápidas

Panquecas com farinha de teff

Fiz há uns meses uma receita para o pequeno almoço, na qual usei farinha de teff. Foi a primeira vez que usei esta farinha e adorei o seu sabor e textura. Na altura comentei até convosco que a iria testar também em panquecas e o serrotado não me deixou desapontada.

DSC_0697-2

As panquecas sao menos macias, até porque a farinha não é super refinada, o que resultada numa textura mais quase crocante, e realmente maravilhosa. Eu deixei de usar farinha de trigo para fazer panquecas, daqui para a frente só feff, não quero outra coisa.

DSC_0694-2

Para acompanhar o meu pequeno -almoço   deliciei-me mais uma vez com os doces  da Quinta de Jugais que muito gentilmente me deu a conhecer os seus produtos.

DSC_0702-2

( O doce de morango acabou hoje, o viking está inconsolável) eu proibi-o de tocar dois sabores de doces que ainda quero usar em mais receitas, vamos ver se ele não me assalta o frigorífico e culpa os nossos meninos.

DSC_0703-2

Indico-vos a receita em chávenas (uma chávena de dois dl e meio) porque honestamente não há paciência  para balanças antes do meio litro de café mandatório antes de acordar.)

 

Se puderem comprar esta farinha, a sério, experimentem, vao gostar, garanto-vos.

Panquecas com farinha de teff – sem glúten

 

Ingredientes:

1 chávena de farinha de teff

1 ovo

1/2 chávena de leite

pitada de sal

pitada de canela

1 colhr de sopa de acucar ou mel

1 colher de sopa de manteiga

Preparacao:

Derretam a manteiga na frigideira onde vao “fritar” as vossas panquecas.

Numa tigela misturem todos os restantes ingredientes, e acrescentem no fim a manteiga derretida. Misturem bem. Deitem na frigideira quente um pouco da mistura, deixem solidificar e virem cuidadosamente a panqueca. (Antes do meu segundo café eu mal falo quanto mais atirar panquecas ao ar, façam-no por vossa conta e risco.)

Acompanhem as panquecas com o vosso doce favorito, mel, manteiga, frutos ou queijo creme.

A Pastelaria · bolinhos e bolachas · pão, sourdough

Isto não são hot cross buns – mais um pedido de desculpas

Durante a edição passada do Sweet World a Lia e a Susana convidaram-nos a fazer hot cross buns. Eu, a mulher dos planos, enchi-me logo de ideias. Mas como vos digo muitas vezes, se Deus tem um plano, a mim coube-me não poder planear nada.

DSC_0834

Adiante.

Se tudo tivesse corrido como imaginado por mim, teria no prazo do passatempo, publicado uma receita de hot cross buns, com gengibre e chocolate, e wait for it…. sourdough/ massa azeda.

DSC_0835

A ideia era boa, eu é que como sempre, falhei.

Comecei cheia de vontade, e a pensar que uma vez que nunca tinha feito massas enriquecidas com o meu isco/starter, fosse falhar a receita várias vezes até acertar com a fórmula, poupei a primeira tentativa ao chocolate e ao gengibre. (imaginei que acabasse tudo no lixo)

DSC_0838

Mas até correu bem, os bolinhos começaram a crescer, fofinhos, lindo, foram para o forno, o viking foi para o golfe. Eu sentei-me na sala, e tao cansada como habitualmente, adormeci.

Acordei com o alarme de fumo em casa a apitar e a correria dos meninos. O forno estava numa nuvem de fumo tao grande, que já tinha invadido o resto da casa. Eu a custo lá arranquei o alarme do tecto e tentei salvar os meu bolinhos. Estavam para o queimado, caramelizado, mas ainda com bom aspecto.

DSC_0838

Fiquei foi sem forno até esta semana.

Antes do fim do prazo do passatempo ainda perguntei quantos dias ainda tínhamos para publicar, mas já foi tarde demais, desculpem-me.

Será que é este mês que consigo participar a tempo? Com  o outro sous chef de baixa até ao fim do mês, e uma semana da férias pelo meio, vamos ver o que consigo.

DSC_0842

De qualquer forma, e ainda que não fosse o que tinha planeado, estes paezinho ficaram mesmo bons e não resisto a partilhar a receita convosco.

Para o isco usei a minha Brites, um isco que me acompanha há anos e que tem sobrevivido a tudo. Como sabem,  quando trabalho com este tipo de massas às quais não acrescentamos fermento, retiro a Brites do frigorifico no dia anterior, alimento-a com farinha e água, deixo-a ganhar vida, e uso-a no dia seguinte.

 

Ingredientes: (10 pãezinhos)

 

140 gr de isco

350 gr de farinha de trigo

1 pitada de canela

1 pitada de sal

1,25 dl de leite

75  g de manteiga

2 colheres de sopa de sal

 

(a quantidade de leite e farinha, pode ser alterada de acordo com o grau de hidratação do vosso isco.)

 

Preparação:

Misturem todos os ingredientes excepto a manteiga numa batedeira usando o gancho. Batam durante 4 minutos. Acrescentem um pouco mais de leite ou farinha até obterem a consistência de uma massa de pão.

Deixem a massa descansar até aumentar de volume. Acrescentem a manteiga à temperatura ambiente batendo de novo na batedeira.

Voltem a deixar levedar. (podem deixar no frigorífica durante uma noite, e terão pãezinhos com uma massa mais parecida a pão estilo de Mafra, ou como eu fiz desta vez, deixei a massa a levedar num lugar quentinho e obtive uma massa mais leve)

 

Moldem os pãezinhos e transfiram-nos para um tabuleiro de forno. Deixem descansar mais meia hora.

Levem a cozer em forno pré aquecido a 175C até estarem dourados ou o forno estoirar.

(eu ainda fiz umas cruzinhas por por cima com icing sugar e água, para aproximar o resultado mais aos hot cross buns que queria fazer.

Sirvam quentinho ou guardem-nos num saco plástico. Podem congelar e aquece-los no micro-ondas antes de servir.

bolos e sobremesas · Cremes, molhos, gelados e mousses · Uncategorized

Gelado de Estragão

Uma das minhas ervas aromáticas favoritas é o estragão. O seu aroma e sabor são inconfundíveis e  esta erva, a que em sueco se chama “dragon” é indispensável na tradicional cozinha francesa, e em clássicos com o o molho bearnaise, um dos pecados favoritos aqui em casa (e em todas as casas suecas)- batatas fritas e molho bearnaise.

DSC_0816

Eu sou apaixonada por todos os tipos de gelados e sorvetes, mas admito que me cansam um pouco os sabores mais tradicionais.

DSC_0810-2

Há alguns meses partilhei convosco a receita de um gelado the manjericão, até com video!

DSC_0811

A receita de hoje é um igualmente delicioso e diferente gelado de estragão. Talvez vos pareça um uso estanho para esta erva, mas desafio-vos a experimentarem.

DSC_0814-2

Gelado de Estragão

Ingredientes:

  • 4 gemas (usem as claras para por exemplo fazer macarons)
  • 125 g de açúcar
  • 2,5 dl de leite
  • 2,5 dl de natas
  • 1 vasinho de estragao

 

Preparação:

 

Levem uma  panela ao  lume com as natas o leite e as folhinhas de estragao.

Deixem levantar fervura, retirem do lume, tapem a panelinha e deixem a fazer um infusão.

Entretanto batam as gemas com o açúcar.

Juntem os dois preparados e  levem ao lume, mexendo sempre  até atingir a temperatura máxima de 85°C, eu tiro o meu do lume aos 82°C.

Se a temperatura ultrapassar os 85°C as gemas começam a coagular e o gelado vai saber a ovos mexidos.

Se não têm um termómetro, basta ir testando se o creme está pronto passado o dedo nas costas da colher de pau até notarem que a marca do dedo permanece uns segundos.

 

Retirem do lume, passem o preparado por um passador de rede fina, esfriem e gelem seguindo as indicações da vossa sorveteira.

A minha vida na Suécia · A Pastelaria · bolinhos e bolachas · bolos e sobremesas · Uncategorized

Macaroons de Rosa, morango e tequila

Gosto tanto de fazer macarons. Penso que é a incerteza do resultado, e a esperança de que a prática nos ensine a perfeição.

DSC_0825.jpgFoi um chef francês, na primeira cozinha profissional que pisei, que me ensinou os truques para macarons perfeitos, fechá-los  no frigorífico assim que estão pontos, deixar secar os bolinhos antes de os colocar no forno, usar merengue italiano.

DSC_0824

Mas e ainda com um forno profissional e milhares de macarons feitos, este chef agora  com uma estrela Michelin, falhava. lembro-me de um dia, uns macarons de amora se terem recusado a crescer. Acontece.

DSC_0820

Desta vez o sabor escolhido foi uma bebida que comprámos num sábado de manha na loja sueca do estado onde se vendem bebidas alcoólicas. O sabor deste licor de rosas, tequila e morango é leve e embora um pouco demasiado doce, quase irresistível.

DSC_0819

Macarons de rosa, morango e tequila

  • Ingredientes:
    Para a massa de amêndoa:
    50 gramas de amêndoas picadas peneiradas duas vezes
    50 gramas de icing sugar peneirado
    18 gramas de claras de ovo
    Corante alimentar em pó ou gel (rosa)
    Para o merengue:
    50 gramas de açúcar
    12,5 gramas de água
    18 gramas de claras de ovo
    Para o recheio:
    creme de manteiga italiano 1/4 da receita
  • licor de morangos, rosa e tequila

Preparação:
Aqueçam o forno a 140°C. forrem um tabuleiro com papel vegetal.

Massa de amêndoa:
Misturem bem o icing sugar com a amêndoa picada, as claras e o corante. Reservem.
Merengue:
Levem ao lume o açúcar com a agua até obterem um xarope (120°C). Ao mesmo tempo batam as claras em castelo. Com cuidado deitem o xarope sobre as claras sem parar de bater até o merengue arrefecer.
Misturem 1/3 do merengue na massa de amêndoa e misturem bem. Quando esta mistura estiver mais macia adicionem o resto das claras mexendo até tudo estar bem incorporado. Não precisam de envolver a mistura com cuidado como se estivessem a fazer um soufflé. Saber quando o preparado está pronto, é a parte mais “complicada” para quem faz macarons. Eu vou levantado a espátula e quando a massa cai como se fosse uma écharpe de seda, paro imediatamente.
Coloquem o preparado num saco de pasteleiro e formem os macarons. Batam o tabuleiro um par de vezes na bancada para retirar bolhas de ar. Deixem os macarons secar meia hora antes de os colocar no forno durante aproximadamente 13 minutos.

Para o recheio basta misturar o creme de manteiga com o licor.
Depois de prontos, recheiem os macarons com creme de manteiga e reservem no frigorífico até servir. (macarons devem ser sempre guardados no frigorífico para não secarem demasiado.)