A Pastelaria · bolos e sobremesas · Raymond Blanc

Tenho outro mano e esta receita é para ele – Galette des Rois de Raymond Blanc

Falei-vos há uns anos do meu mano J. Somos quatro, eu sou a mais velha, e embora trabalhemos todos em áreas diferentes, temos em comum o gosto pela cozinha, uma qualidade que não herdámos da nossa assassina mãe.

 

Comigo na Suécia e o J. entre Portugal e a Escócia, comunicamos essencialmente via Skype.

J.– Estivemos em Londres e fomos comer ao Dinner

Eu – Gostaram?

J . – Não, a comida é muito trabalhada, eu gosto de coisas mais simples….(gosta agora porque quando morou em Girona esteve meses à espera de uma mesa nos manos Roca)

Eu – Mas é um brioche com ananás grelhado….

J . – Sim mas eu gosto mais de comida do estilo Raymond Blanc.

DSC_0483

 

Fiquei a pensar nisto. Gosto imenso do Raymond Blanc, é um despachado, descasca maçãs como aprendeu com a mãe, e não “à chef”,  nos seus programas e livros tudo é tao claro e apetecível que até o mais noviço se enche de vontade de ir para a cozinha.

E eu que há uns anos fazia a massa folhada em casa, comprava as amêndoas com casca, e passava horas a preparar a farinha de amêndoas,  descobri esta receita de Galette des Rois, e em meia hora tinha o bolo no forno.

Mais tempo livre para ler ou dar um passeio, simplificar na cozinha  sem sacrificar a qualidade ou o sabor, às vezes também é preciso. Tenho muito ainda que aprender. Tenho de aprender por exemplo a não colocar um bolo no forno e ir tomar duche, ou a não me esquecer de ler a receita duas vezes antes de começar. É que hoje não houve erro que não tivesse cometido entre a pressa de me arranjar para ir almoçar à sogra, e a segunda rodada de gripe em menos de um mês. O recheio saltou da galette, e a massa folhada tostou-se um pouco demais. Como dia o meu antigo HC não está queimado está caramelizado. A receita é boa, a artista é que hoje deixa a desejar.

DSC_0486

 

Galette Des Rois de Raymond Blanc

 

Ingredientes:

400 g de massa folhada com manteiga

75 g de manteiga amolecida

75 g de icing sugar

75 g de amêndoas picadas finamente

1 ovo

1 gema para pincelar

1 colher de sopa de rum escuro

 

Preparação:

Aqueçam o forno a 180 °C graus.

Cortem a massa em dois círculos com 25 cms de diâmetro. Coloquem os  os círculos num tabuleiro forrado com papel vegetal.

Misturem todos os ingredientes do recheio. Coloquem o recheio no centro de um dos círculos, pincelem as bordas com a gema batida e  tapem com o segundo circulo.

Fechem bem a galette (ao contrário do que eu fiz, comemos o recheio à colherada directamente  do tabuleiro, lá está, “em casa de ferreiro…”)

Façam uns cortes na massa e pincelem o topo com mais gema.

Levem ao forno até estar douradinho e a massa estaladiça.

Bom proveito e bom dia de reis para todos.

E o vídeo, uma delícia como sempre J (com algumas alterações em relação à receita do site.)

A Pastelaria · Convidei para jantar

Convidei para jantar – Paris

A nona edição do Convidei para Jantar decorre este mês em casa da Marmita que nos desafiou a convidar uma cidade ou país para jantar. Eu, de maleta aviada, meti-me num avião e fiz me convidada de Paris.

Enquanto a cidade ainda dormia, passei algumas horas no restaurante onde mais tarde sabia iriamos   jantar. Queria preparar-lhe uma surpresa.

Encontramo-nos cedinho à entrada do seu apartamento. Paris vive numas águas furtadas na Rue de Rivoli,  com vista para o Louvre, a dois passos da muito chic Rue Royale, um salto até ao Palais Garnier.

Imaginava-a uma senhora clássica e reservada, bem penteada e num fato chanel. A Paris que vejo sair do elevador é surpreendentemente diferente, não soubesse eu que Amélie continua feliz em Montmartre e juraria que se trata da mesma pessoa.

Cumprimenta-me como se fossemos velhas amigas e saímos para croissants e café enquanto planeamos o nosso dia com mais detalhe. Quer mostrar-me/se no seu melhor. Com Paris não há filas intermináveis à entrada dos monumentos, pedintes nem restaurantes e lojas de recordações para turistas.

Passamos a manhã entre Gárgulas e Quimeras. Conta-me que mais tarde, e com a Notre Dame já encerrada, gosta de voltar a visitar estes seus amigos de pedra que ganham vida durante a noite e com os quais gosta de se observar. Obras numa antiga igreja, um novo centro comercial, a restauração de uma ponte.

Visitamos de seguida a Sainte-Chapelle, um tesouro onde nos perdemos durante horas. Passamos a tarde em Montmatre e Pigalle, tomamos café com Marcel Aymé, Amélie chega mais tarde, teve de esperar que o seu bebé acordasse da sesta.

Para o jantar Paris tinha já reservado a sua mesa habitual no Les Deux Magots. Todos se alegram com a sua chegada, Sartre e Simone de Beauvoir esperam já por nós. À nossa mesa chegam imediatamente os aperitivos e Champagne, o Chef vem cumprimentar-nos e sugerir um menu especial para o nosso jantar.

Depois do jantar é a minha vez de surpreender Paris e com o café são servidos os Pastéis de Nata que horas antes tinha preparado no restaurante e que a todos deliciam. “Deixaste a receita com o Chef?”  – pergunta-me.

Despedimo-nos na entrada do metro. Eu estou cansada e quero dormir um pouco antes de regressar a casa. Para Paris a noite ainda está a começar. “Vou passar por Notre Dame, para partilhar estes bolinhos com as Quimeras” – diz-me enquanto olha sorridente para a caixa de pastéis de nata que trouxe ainda quentes do restaurante.

Pastéis de Nata

Para este clássico que em Paris se vende até no KFC, usei a receita do maravilhoso Sabores da Alma, mas admito que fiz batota e usei massa folhada congelada. Uma vergonha…bem sei. Para disfarçar a coisa usei um truque que vi uma vez num programa do Jamie Oliver e enrolei a massa polvilhada com açúcar e canela. Uma delícia. Tenho de trazer de Portugal formas próprias para Pastéis de Nata, lembrem-me!

Ingredientes: (12 pastéis de nata)

Preparação:

Aqueçam o forno a 240ºC.

Preparem o recheio seguindo as indicações da Vânia.

Estiquem a massa folhada. Polvilhem a massa com açúcar e canela e enrolem-na como se fosse uma torta. Cortem a massa em fatias e forrem com elas as forminhas, atenção que a massa deve ficar bem fininha. Encham até 2/3 com o recheio. Levem ao forno até a massa folhar e  recheio estar douradinho.